Frango a Gosto - Tudo que é bom... é a gosto!
HomeInstitucionalProdutosLocalizaçãoNotíciasReceitasFale Conosco

17/5/2010 00:00:00
Frango: importante na alimentação de crianças

8/12/2009 00:00:00
O Mito da Carne de frango com Hormônios

4/8/2009 00:00:00
A importância da carne de frango à mesa

2/6/2009 00:00:00
Paraná: referência em sanidade avícola

17/4/2009 00:00:00
Frango: alimento de alta qualidade

« 1 - 2 »
8/12/2009 00:00:00

O Mito da Carne de frango com Hormônios

O uso de hormônio em frangos ainda é crença de grande parte dos consumidores. No sistema produtivo, essas aves vivem cerca de 45 dias, entre sair do ovo e atingir o peso ideal para o abate, e o pouco tempo dessa trajetória reforça a idéia de aplicação de sustâncias anabolizantes ou com ação hormonal na avicultura. Especialistas, no entanto, derrubam o mito.

    “Desde o início da avicultura de corte, a eficiência na produção de frango é questionada, inclusive, por médicos e nutricionistas, mas o rápido crescimento de frangos não é milagre”, afirma o chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Suínos e Aves, Gerson Scheuermann.

      Essa história surgiu por volta das décadas de 30 e 40, quando foram construídas as atuais estruturas de aviários, com mais de 15 mil aves que crescem cada vez mais e em menos tempo. E foi justamente o avanço técnico do segmento que contribuiu para que, em anos de pesquisa, se chegasse ao balanceamento de nutrientes e energia nas dietas e em um ambiente adequado para a criação das aves, com controles de temperatura, umidade do ar e ventilação das instalações. O monitoramento de doenças e o manejo apropriado também merecem destaque no cenário atual da avicultura.

    Outro fator relevante para acelerar o crescimento e engorda dos frangos foi o melhoramento genético a partir da seleção de aves por ganho de peso e desempenho. Quem também desmistifica a aplicação de hormônios exógenos em frangos é o veterinário Leandro Feijó, da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SDA/Mapa). “O tempo de vida do animal até o abate inviabiliza qualquer tentativa de utilização de hormônios nesta espécie, assim como o tempo suficiente para a sua atuação no organismo”, defende.

    Feijó coordena o Plano Nacional de Controle de Resíduos e contaminantes (PNCRC), que monitora, continuamente, a presença de medicamentos veterinários de uso proibido no País em carnes, incluindo hormônios. Ele explica que, nos últimos quatro anos, foram realizadas mais de 2,8 mil análises em frangos e atesta: “a partir dos resultados obtidos, a conclusão é de que não há indícios da utilização dessas substâncias nas carnes de aves consumidas pela população brasileira e exportada a mais de cem países”.

      BOAS PRÁTICAS – A importância deste programa para a avicultura de corte e postura faz parte da adoção das chamadas Boas Práticas para o Uso do Medicamento Veterinário, que visam o aperfeiçoamento do manejo sanitário, da diminuição de custos e da disponibilização de produtos com qualidade, em que o consumidor é o grande regulador. As bases legais do programa levam em consideração as recomendações do Codex Alimentarius, fórum internacional de normatização de padrões de segurança do alimento. O controle de resíduos e contaminantes em produtos de origem animal é reconhecido pela União Européia e por países como: Estados Unidos, Canadá, China e Rússia, que realizam auditorias anuais nas ações do plano.

     RESULTADOS DE 2008 – Os resultados do monitoramento no Programa de Controle de Resíduos e Contaminantes em carnes de aves, bovinos, suínos e eqüinos, leite, ovos, mel e pescado, em 2008, segundo Feijó, podem ser considerados satisfatórios. “No entanto, demonstram a necessidade de vigilância contínua para mitigar o risco de violações que foram detectadas”, alerta.

    Das 19.211 análises concluídas, 99.85% não apresentaram resíduos de medicamentos veterinários ou contaminantes acima dos limites estabelecidos. Destaque para mel, camarão de cultivo e pescado de cultivo, que não apresentaram nenhuma irregularidade no ano passado.

        O Programa para aves também alcançou percentual positivo no último ano. Das 8.209 análises concluídas, apenas cinco, ou 0,06%, apresentaram resíduos.

Fonte: Informativo a Gosto, N.º 50, Dezembro 2009, pág. 03.



WebLite Soluções para Internet